Como Saber se Seu Filho Está Sofrendo Violência Física

 Violência Física - corresponde ao emprego de força física no processo disciplinador de uma criança, é toda a ação que causa dor física, desde um simples tapa até o espancamento fatal. Geralmente os principais agressores são os próprios pais ou responsáveis que utilizam essa estratégia como forma de domínio sobre os filhos.

Consequências

violenciaAlém das possíveis sequelas físicas e até, em casos extremos, da morte da criança ou adolescente, esse tipo de violência também pode levar a sérias consequências psicológicas e sociais. Nesse período da vida, o indivíduo encontra-se em fase de formação de personalidade e de entendimento do sentido de família e proteção; espelha-se nos modelos adultos que lhe são oferecidos e organiza os conceitos morais que carregará para o resto da vida.

A violência sofrida durante a infância e adolescência, pode desestruturar a base de formação física e psíquica da pessoa e toda a valorização de si mesma e dos outros, além de comprometer a formação da afetividade, personalidade e de valores. São marcas profundas que podem modificar seu modo de encarar o adulto e o mundo que ele representa. Os valores de família, amor, carinho e proteção podem ser distorcidos, gerando a destruição de importantes valores sociais.

Para a sociedade, o resultado do rompimento de vínculos e desestruturação familiar pode refletir-se na progressão da violência de maneira global, onde o respeito ao ser humano e a valorização da vida deixam de existir.

Quando se trata de violência doméstica, os agressores costumam contar com um aliado poderoso que é o silêncio das vítimas, assegurado por medo, vergonha, sentimento de culpa, por parte do agressor. É esse silêncio que faz com que se torne difícil a intervenção. Portanto, o profissional que trabalha com crianças e adolescentes, principalmente em instituição escolar, precisa estar atento aos sinais, pois as vítimas pedem socorro não só através de suas vozes, mas através da linguagem corporal, de ações e de comportamento que indicam que alguma coisa não está bem, e que a criança precisa de ajuda.

Com base em Guerra e Azevedo (2001), existem alguns indicadores orgânicos na criança e adolescentes que nos mostram quando devemos desconfiar:

Indicadores de Violência Física:

- A criança desconfia dos contatos com adultos;

- Está sempre alerta esperando que algo ruim aconteça e geralmente é nervosa;

- Tem mudanças severas e frequentes de humor;

- Demonstra receio dos pais ( quando é estudante procura chegar cedo à escola e

dela sair bem mais tarde);

- Apreensivo quando outras crianças começam a chorar;

- Demonstra comportamentos extremos: agressivo, destrutivo,   excessivamente

tímido ou passivo, submisso, podendo vir  a tornar-se depressiva e muito triste;

- Apresenta dificuldades de aprendizagem não atribuíveis à problemas físicos

- Revela que está sofrendo violência física;

- Busca ocultar as lesões sofridas por temer represálias por parte do agressor.

É muito importante, em casos de violência doméstica contra crianças e adolescentes, confiar na palavra da vítima, pois, dificilmente a criança vai mentir ou inventar. Então, até que circunstâncias mostrem o contrário, é fundamental acreditar na criança. Assim como, é importante prestar atenção em mudanças súbitas de comportamentos, elas podem ser o principal indicador de que algo está errado.

Principais  Causas  da  Violência  Física

Fatos geradores de violência física doméstica

a) A crença dos pais de que a punição corporal dos filhos é um método educativo e violencia1uma forma de demonstrar amor, zelo e cuidado;
b)Ver a criança e o adolescente como um objeto de sua propriedade e não como um sujeito de direitos;
c)A baixa resistência ao stress do agressor que projeta seu cansaço e problemas pessoais nos filhos e demais dependentes. Exemplos de problemas pessoais: desemprego, dívidas, desentendimento conjugal, etc;
d)O uso indevido de drogas e o abuso de álcool;
e) Pais que quando crianças foram vítimas de violência doméstica e que reproduzem nos filhos o mesmo quadro vitimizador;
f) Fanatismo religioso;
g) Problemas psicológicos e psiquiátricos.

Ser pai é uma tarefa extremamente difícil, que exige um treino contínuo e perseverante. Aliás, como dizia Winnicott, a vida é essencialmente difícil de ser vivida por todos, e os pais devem procurar ser suficientemente bons para seus filhos – nem permissivos, nem agressivos.

 

Por Rosania Ribeiro Teixeira

Psicóloga

CRP 05/23536

Os comentários estão encerrados.